Archive for Julho, 2008

Da série versões musicais fulminantes

31 Julho, 2008

Já que o Schröder deu o pitaco dele, também darei o meu.

A versão do Sonic “ok, call me indie” Youth para a música ‘Superstar’, que é de uns caras dos anos 70 chamados Delaney & Bonnie mas ficou famosa mesmo com os Carpenters, é indescritível. O vocal é tão obscuro que parece o de um Darth Vader depressivo e o refrão é uma mistura de barulhos dissonantes que cai como uma luva.

Bom momento para aqueles que não gostam da banda pela pancadaria e pelas guitarras distorcidas mudarem de opinião. Não é à toa que a faixa é uma das favoritas do publicitário / músico / decadente do filme ‘Juno’.  

E o clipe também é bem legalzinho, afinal de contas, não é todo dia que vemos o Thurston Moore vestido de Frank Sinatra.

Corta Corta Gotan

31 Julho, 2008

Uhu! Até domingo, dia 03.08, a Gotan estará participando da promoção Corta Corta Iguatemi e dando descontos de até 70% em todas as peças da loja. É para todo mundo que ficou chupando o dedo na nossa promoção ir lá e aproveitar.

Para quem não conhece, a Gotan é uma multimarcas super legal que trabalha com Cantão, 2nd Floor e mais um monte de marca bacana!

Da série versões musicais fulminantes

31 Julho, 2008

Quando George Martin ficou encarregado de produzir a canção tema do filme ‘Live and Let Die’, o oitavo da série do agente James Bond, era bem provável que o resultado seria acima da média. Era início dos anos 70 e Sir James Paul McCartney, que havia montado a banda Wings com a mulher Linda depois do fim dos Beatles, era uma ótima opção para o trabalho. E assim foi.

Mas George Martin, Paul e toda a geração dos anos 70 não podiam imaginar que cerca de 20 anos depois o Guns N’ Roses pudesse fazer uma versão tão boa da canção, fulminando o coração de jovens de bandana. O resultado é que muita gente nem lembra de Paul e seu piano quando vê Axel, Slash e o restante da corja enlouquecidos no palco.

Até pensei que a música fosse tão sensacional a ponto de jamais ser mau executada, mas ela estava lá para provar o contrário.

Ainda em tempo: a idade vai chegando e a vidinha pregressa atinge a concentração até dos melhores. Percebam como se estraga com classe o grande momento da música ‘Live and Let Die’ (aos 40 segundos de vídeo). De qualquer forma, acho que ninguém no Quebec ficou decepcionado.

Pocket Calculator

31 Julho, 2008

Acho bem legal esse futurismo demode que a Kraftwerk carrega com maestria. Me lembra bastante os filmes do Kubrick. O site do grupo é uma obra, com relações homem x máquina primárias, mas cheias de simbolismo (dá para brincar com a pocket calculator!). Quem navega por lá tem a impressão de que está em contato com os primórdios da computação. O site da banda The Raconteurs também tem um pouco da pilha, mas soa bem mais publicitário e com cara de filme policial americano de baixo orçamento.

Da série só acredito vendo

30 Julho, 2008

Deu no blog do Lúcio:

Não tanto pela banda, mas mais pelo lugar. REM no São José, vulgo Zequinha, parece meio piada. Será que vai virar o novo ponto indie da cidade?

A era das bandas “legaizinhas”

30 Julho, 2008

Apesar de faltar ainda um ano e quatro meses para a década acabar, algumas reflexões sobre a produção musical do rock nos anos 2000 – muitas delas óbvias – já podem ser feitas sem que exista o risco de virarmos chacota em janeiro de 2011.

A principal marca do período é a falta de bandas ícones, que rompem barreiras e estabelecem propostas duradouras. É claro que podemos pensar que na verdade tudo virou ícone nos últimos anos, mas quero dizer que não há mais os chamados “grandes dos rock” como havia nos anos 60, 70, 80 e 90. Hoje, bandas que lançam mais de quatro discos já são raridade e muitas vezes isso é alcançado após inúmeras separações e reconciliações.

Talvez a banda Strokes – por ter popularizado o indie rock rapidinho dos seus primeiros dois discos – seja digna de algum destaque nesse sentido. Milhares de bandas copiaram o estilo musical fortemente influenciado pela cena punk nova-iorquina do início dos anos 70 e surrupiaram a roupagem moderninha ditada pelo visual do vocalista Julian Casablancas. Mesmo assim, a linha das músicas algumas vezes se assemelha tanto ao Velvet Underground que chamar os rapazes de “salvadores do rock” chega a soar como piada.

Talvez a quetão seja a quantidade absurda de variações do rock, o número mais absurdo ainda de bandas que seguem essas linhas e a falta de disposição do público em se tornar fã de alguma coisa que sempre soa artificial, dinheirista e indigno. Alguém se arrisca a apontar algum ícone? Acho que não, estamos na era das bandas “legaizinhas”.

O que já está definido é o melhor riff de guitarra da década: nada foi tão simples, preciso e embalante como a criação de Jack White em Seven Nation Army. Compensa toda a falta de instrumentos da banda e a tosqueira “bate estaca” que a Meg White consegue tornar cool.

Fofurinha

29 Julho, 2008

Lembra do site Stardoll, aquele que dá para vestir bonecas fofas de um monte de gente famosa e tal? Pois tem um site no Japão, o Poupée, que funciona mais ou menos do mesmo jeito, só que ao invés da Madonna e da Paris Hilton, você veste umas bonequinhas muito do fofas.  Apesar de ser a maior parte em inglês, o site ainda tem algumas partes só em japonês, mas não chega a dificultar a navegação. E além de tudo é uma gracinha!

Dica da Fafá 😉
 

E essa onda de vestir bonecas pegou bem mesmo, hein? Escrevendo esse post me lembrei do site que o Peta fez em homenagem às gêmeas Olsen, que tem uma parte muito engraçada na qual podemos vestir as duas com cadáveres de bichos peludos. E até o hiponga Devendra Banhart curtiu a história e fez uma seção na sua página na qual podemos vestí-lo com roupas de feira-hippie. No mínimo engraçado.

Bizarrice do dia

29 Julho, 2008

Chanel bulb shoe. Segundo Karl Lagerfeld, é “uma maneira chique de fazer seus sapatos brilharem – literalmente!”. Acho bizarríssimo e tenho certeza de que nem ele usaria um troço desses.

Melhores da Vanity Fair

29 Julho, 2008

Uhu! Saiu a lista dos melhores vestidos de 2008 da Vanity Fair. E entre primeiras-damas (Carla Bruni e Michelle Obama) e mais um monte de gente que eu não conheço (realezas européias e alguns idosos que não sei da onde surgiram) não é que lá está ela, nossa amiga Carrie Bradshaw! Que surpresa, não? Também figuram na lista o rapper Kanye West (que vai vir para cá em outubro no Tim Festival) e Karl Lagerfeld (because the Kaiser is wiser). Quem não concordou com os resultados pode votar na enquete da revista. Adoro esse tipo de coisa.

Música da semana

28 Julho, 2008

Molypop – Dieu N’est Pas Mort

Formada por um coletivo de artistas franceses e brasileiros, a Molypop faz rock com sotaque de Gainsbourg e cheiro de maio de 68. A faixa ‘Dieu N’est Pas Mort’, do primeiro álbum da banda, é um road movie do Godard.