Foi bom enquanto durou…

7 Maio, 2009 by

Ravens01

… mas infelizmente esse blog mórreu! Se você estiver com saudades, a Elis tá de blog novo. Já o Schröder está muito ocupado com a monografia (aham!).

Beijos e até a próxima!

Rapidinhas

15 Outubro, 2008 by

* O Style.com fez a lista dos 10 melhores desfiles dessa temporada. O primeiro lugar foi para Ann Demeulemeester, que apresentou umas criações bem estranhitchas porém legais (embora nada de mais). Gostei especialmente dos modelos masculinos. De qualquer maneira, vale a pena dar uma olhada.

* Já a Vogue inglesa fez uma seleção com os 30 melhores momentos das semanas de moda. Teve o cabelinho novo da ex-Posh Spice no desfile do Marc Jacobs, a modelo da Prada descendo bem gostoso por causa do salto alto e as super divertidas botenhas Yves Saint Laurent.

* E falando em melhores e piores, existe capa mais feia do que essa??? Sério, se eu fosse a Scarlett Johansson me recusava a participar!

* E essa semana também foi de perdas. O fotógrafo e amante do jazz William Claxton morreu nessa segunda-feira, depois de imortalizar em fotos absurdas grandes nomes da música, como André Previn, na foto acima. Tem mais aqui.

E, a pedidos, estamos com fotos expansíveis!!! É só clicar em cima e… voilà!

Semana de Moda de Milão

13 Outubro, 2008 by

Com algum atraso, as tendências mais bacanas da semana de moda de Milão:

Jazz Age

Pode-se dizer que a década de 20 esteve tão presente na semana de moda de Milão quanto a de 70 na Mercedes Benz Fashion Week de Nova York. Eu particularmente gosto muito dessas franjinhas e dos modelos mais retos. Acima, da esquerda para a direita, criações de Alberta Ferretti, Moschino e Roberto Cavalli.   

Mais anos 20 com Aquilano.Rimondi, Luisa Beccaria e Aquascutum.

50, 60 e 80

Embora não com tanta força, outras décadas também estiveram presentes, como os anos 50 de Maurizio Pecoraro, os anos 60 da Moschino e os ano 80 de Emilio Pucci.  

Wild Thing

Dessa vez não foi só Roberto Cavalli que apostou nas estampas de animais, como nesse vestidinho da Just Cavalli (direita). A estampa de tigre também apareceu no desfile da Emporio Armani e a de cobra foi destaque na morna coleção da Prada.   

Babadinho

Babados, laços, florais, corações e todas as coisas meigas e fofas são o que há. Acima, babadinhos e babadões nos vestidos de Francesco Scognamiglio, Just Cavalli e Moschino Cheap & Chic.

Mais babados com Pollini, Versace e Moschino.

Flower Power

Essa semana apresentou tantas flores e florais que até deu para enjoar de tamanho romantismo. Elas apareceram tanto nas estampas, como nas criações acima da Moschino Cheap & Chic, Roberto Cavalli e Iceberg… 

… quanto em aplicações, como na Blumarine, Moschino e Emporio Armani.  

E também nos desfiles da Fendi, Francesco Scognamiglio e da loucona Agatha Ruiz de la Prada.  

Fofurinha

E a doçura não pára! Dá só uma olhada nesses modelos de Roberto Cavalli (esquerda e centro) e Versace, com direito a coraçãozinho em várias das produções apresentadas no desfile.  

Lacinhos

Outro detalhe “fofo”, os laços apareceram a exaustão. Acima, Giorgio Armani, Emporio Armani e Derercuny.

Mais laços com Moschino (que usou e abusou desse detalhe), Moschino Cheap & Chic e Francesco Scognamiglio.

Renda-se

A renda serviu tanto para os mais românticos, como o vestido do meio, da Moschino Cheap & Chic, quanto para os que apelaram para um visual mais gótico, como Just Cavalli (esquerda), e Fendi (direita).

It Dress

E, para fechar o post, o it dress da temporada, de um ombro só e com detalhe em babado. Apareceu em vááááários desfiles, entre eles Luisa Beccaria, Francesco Scognamiglio e Gianfranco Ferré. E pensar que tudo começou há um ano atrás, nesse desfile da Lanvin.

O exagero de Fernando Mantelli

13 Outubro, 2008 by

Gostei do livro Raiva nos Raios de Sol, do publicitário e cineasta Fernando Mantelli. Após o primeiro dos vinte contos que compõem o lançamento, pensei em interromper a leitura: achei bastante exagerado, com uma proposta que sabia que seria repetida ao longo das demais páginas (e se repete sim). No entanto, os elementos característicos do autor – violência, terror, sexo, traição, aborto, racismo – são colocados de forma original. Exagerado, mas surpreendente. Quem gosta de Charles Bukowski e do cubano Pedro Juan Gutiérrez vai entender (e gostar).

Fernando Mantelli e a Não Editora (que mandou uma cópia do livro pro blog) lançam Raiva nos Raios de Sol na quarta-feira (dia 15), com sessão de autógrafos na Livraria Cultura do Bourbon Country, a partir das 19h30. O escritor levou o prêmio Açorianos de 2001, na categoria autor reveleção em contos, com o livro Feliz Fim do Mundo. Quem quiser ver a produção de Mantelli para o cinema, pode dar uma olhada aqui.

Comentário gratuito e irrelevante: na capa do livro tem uma menina com um “maiô Mondrian”.

“Sobre o uso de efeitos especiais” ou ainda “Aprende Spielberg”

7 Outubro, 2008 by

Muito fantástico o trecho do do filme Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, lançado em 1978, em que Billy Preston banca o próprio Sgt. Pepper enquanto canta Get Back (é, usaram músicas de outros discos na trilha).

O filme, produzido por Robert Stigwood e dirigido por Michael Schultz, traz no elenco Peter Frampton, Bee Gees, Alice Cooper e o estreante Steve Martin. George Harrison e Linda McCartney fazem uma pontinha também.

Frase de efeito: efeitos especiais só fazem sentido quando usados dessa maneira.

Semana de moda de Londres – Top 5 Melhores Desfiles

4 Outubro, 2008 by

1- Luella

Uma das minhas estilistas favoritas da atualidade, Luella Bartley deu uma “rejuvenescida” nas pedras fundamentais da Chanel, como taillers e colares de pérola, desestruturando as peças e usando cores super vibrantes como roxo e laranja. O resultado ficou elegante e divertido ao mesmo tempo. Até deu pena de selecionar só três fotos para colocar aqui, porque gostei de diversos looks, mas dá para ver tudo no Style.com.

2 – Basso & Brooke

Poucos desfiles inspirados na estética oriental foram tão bacanas como o concebido por Bruno Basso e Christopher Brooke, e olha que tiveram váááários deles. Adorei as estampas e o obi estruturado usado em alguns looks.

3 – Christopher Kane

O garoto dos olhos da imprensa mundial realmente merece toda a atenção que vem recebendo. Christopher Kane misturou referências bizarras, como dinossauros, Flinstones e Planeta dos Macacos, e transformou em uma coleção super bem estruturada. Os semi-círculos que compunham muitas das peças lembram de leve a pele escamosa dos répteis.

4 – Charles Anastase

O ilustrador Charles Anastase fez sua estréia na semana de moda de Londres e eu adorei essa nerd / colegial / Lolita / rocker que ele apresentou. Destaque para a jaqueta de couro e para a plataforma enooooorme dos sapatos.

5 – Nathan Jenden

Embora não tenha recebido uma crítica, assim, muito boa (o Tim Blanks do Style.com disse que servia para lembrar que os anos 80 foram a década do mau gosto, que malvado) eu achei a coleção do Nathan Jenden super divertida. Amei a combinação de cores nada-a-ver e o vestido loucão da esquerda.

VMB 2008

3 Outubro, 2008 by

Apesar de não proporcionar tanta diversão quanto o VMA, o VMB também tem seu valor. Em que outro lugar se poderia ver uma renomada banda internacional como o Bloc Party dando vexame por tocar com playback, hein? Contratempos à parte, vamos às roupitchas.

Melhor Look da Noite

Ainda não existe oficialmente na premiação do VMB, mas, se existisse, o troféu de melhor look da noite com certeza iria para a VJ Luísa Micheletti, linda de morrer em um vestido do estilista Samuel Cirnansck, que, não por acaso, foi meu desfile favorito da última SPFW. 

Melhores Looks Femininos

É inegável que a noite de ontem foi repleta de boas surpresas no que se refere ao estilo do público. A Sandy apareceu muito fofa em um vestido tomara que caia xadrezinho (na foto não dá para notar) com uma bolsinha pink linda. Foi meu segundo lugar. Também gostei da produção da Sophia Reis, filha do Nando, e, pasmem, da Adriane Galisteu, que chocou todo mundo dando as caras em um estilo super elegante. Por essa ninguém esperava!

Menções Honrosas

Também merecem uma menção honrosa a VJ Marina Person, que tá sempre linda e ontem não foi diferente (ainda mais com esse Balenciaga), Mallu Magalhães, fofíssima de vestidinho (primeira vez que vejo ela assim) e uma sapatilha de bailarina de cada cor (só ela pode usar uma coisa dessas e não parecer idiota), Maria Rita, que abandonou a ripongagem e apareceu com um vestido bem bonito, e Alice Braga, cujo vestido Glória Coelho nem é tããão bonito assim, mas essa mulher é tão linda e simpática que fica bem com qualquer coisa!   

Bizarrinhas Seven Boys

Como é de se esperar em uma premiação da MTV, sempre tem gente sem noção. Nesse caso, os tipos já são nossos velhos conhecidos e não aprsentaram nenhuma novidade. Na foto acima, Marimoon, Pitty e Penélope Nova usando roupas que deveriam ser proibidas para mulheres com mais de 16 anos (no caso da Penélope, com mais de 50kg).

Update: parece que a Alice Braga chegou na premiação com um vestido igual ao da Sandy e na hora teve que trocar por esse outro… Quase ganhou o segundo lugar! Ah, e é um Reinaldo Lourenço!

Gang 90 e as Absurdettes

3 Outubro, 2008 by

Não sou muito fã de anos 80 e é com certo alívio que vejo as festas temáticas em homenagem à década perderem força. Nunca entendi porque bonitas jovens moderninhas decidiram ressucitar o tenebroso cabelo da Angélica no início de carreira para dançar as músicas da época, anunciadas em cartazes de festa com a imagem (obrigatória) de um pogobol. É claro que coisas boas foram feitas ao longo desses mau vestidos 10 anos, mas a estética característica da época é meio absurda e não muito digna de um revival.

Dentro do que chamamos de clássicos dos anos 80, a banda The B-52’s merece crédito no campo musical. A irreverência das letras e a alegria contagiante das músicas é revisitada de várias maneiras até hoje (Bidê ou Balde comprova). Mais do que isso, o grupo foi copiado quase que instantaneamente no Brasil por grupos como a Blitz.

O que não entendi é porque uma das melhores bandas brasileira estilinho B-52’s não ganhou o devido destaque na recente volta musical oitentista. A Gang 90 e as Absurdettes emplacou até tema de novela das 8 em 1983, mas vive esquecida junto à miscelânea de bizarrices produzidas no período.

O grupo, fundado pelo jornalista com cara de nerd Júlio Barroso, tinha como vertente principal a então bombante new wave. Além disso, o líder da banda agregou influências beatniks às músicas, influenciado pela leitura fanática de Jack Kerouac. O resultado é composto de excelentes músicas dançantes, recheadas de trocadilhos e deboches.

A banda lançou apenas um álbum – Essa tal de Gang 90 e Absurdettes (1983) – com Barroso ainda vivo. Em 1984, o vocalista caiu da janela do seu apartamento em São Paulo e morreu. Depois disso, a tecladista da banda, Taciana Barros, assumiu a bronca e lançou os discos Rosas e Tigres (1985), com quase todas as músicas ainda compostas por Barroso, e Pedra 90 (1987), fracasso que decretou o fim da Gang 90.

Além da clássica Convite ao Prazer aí em cima, uma espécie de hino oitentista, quase todos já devem ter ouvido os hits Nosso Louco Amor, Telefone e Perdidos na Selva.

Cota para comerciais do Lynch no Brasil

3 Outubro, 2008 by

Não vou negar que gosto de alguns comerciais piadísticos calcados em insights não muito elaborados que dominam as propagandas da televisão brasileira. Esse aqui, por exemplo, me parece bastante competente para o tipo de produto. No entanto, queria que algum bom candidato propusesse cota para comerciais decentes, que fujam das piadas óbvias e que não sejam tão diretos na intenção de vender o que for preciso.

Tudo isso para dizer que gostaria de ver um comercial das Havaianas, da Petrobras, do governo da Bahia ou da Polar feito pelo David Lynch. O diretor mantém a (chamem do que quiser) loucura, a fantasia, o nonsense, o clima onírico e outros tantos elementos típicos de seus filmes nos comerciais que fez nos últimos anos.

A série de comerciais feitas para o lançamento do PlayStation 2 é fantástica. Além do vídeo aí em cima, não há como não achar muito legal esse, esse, esse e principalmente esse. Esse outro é meio ruim. Além desses, também é massa a proposta do comercial dos cigarros Parisienne, do Nissan Micra e dos perfumes Opium e Gucci by Gucci (esse com trilha sonora do Blondie e com a modelo brasileira Raquel Zimmermann).

Semana de Moda de NY

2 Outubro, 2008 by

Voltando para a vidinha normal e começando a série de posts sobre as principais semanas de moda, escrevo sobre os dez desfiles que mais chamaram a MINHA atenção na última Mercedes Benz Fashion Week, vulgo semana de moda de Nova York.

Anna Sui

Inspirando-se no folclore mexicano, espanhol e dos países do leste europeu, Anna Sui apresentou uma coleção repleta de modelos, estampas, cores e texturas característicos desses lugares, porém sem ser clichê ou kitsch. Meu desfile favorito do evento, com certeza. Além de tudo, tem um ar alegre e jovial perfeito para primavera, reparem que até as modelos não estão com a cara carrancuda de costume.

Diane von Furstenberg

Diane von Furstenberg apelou para a hipongagem no seu desfile, intitulado “Rock Goddess”. Com direito a flores e faixas de couro no cabelo, a estilista provou que a mania 70’s não vai nos deixar tão cedo. Apesar de não ser assim tããão original, é inegável que o resultado ficou muito bonito.

Diesel Black Gold

Como disse ali em cima, essa lista é dos desfiles que mais chamaram a minha atenção, mas não necessariamente dos que eu mais gostei. É o caso da apresentação da Diesel, talvez a marca de jeanswear mais cultuada atualmente. E isso me faz ter medo, muito medo, de que a moda “mendigo/grunge” realmente cole. Deus nos proteja dessas calças folgadas, manchadas e com essa barrinha dobrada que me dá arrepios. Alguém aí tem coragem de dizer que gostou?

Miss Sixty

Em uma coleção “colegial safadinha encontra Faye Dunaway em Bonnie & Clyde” a Miss Sixty apresentou modelos bem fofos e superusáveis. Esse lencinho no pescoço pelo jeito não vai sair de moda tão cedo. Destaque para a calça “bombachinha” da foto do meio, que eu até usaria se tivesse uns 20cm a mais.

Lacoste

A veterana Lacoste estreou sua linha jovem e aparentemente mais barata que, segundo o Style.com, chama-se Red!. Mesclando a estética mod com as roupas tradicionais de golfe, a marca apresentou uma coleção muito fofa, cheia de bossa sessentista à la André Courrèges. Ganhou minha medalha de prata, lembrando sempre que, para não ficar com cara de bundão, é preciso ter muita atitude e alguma ironia para levar esse jacaré no peito se você nasceu antes de 1950.

L’Wren Scott

A coleção praticamente monocromática de L’Wren Scott é muito bem vinda em tempos de revival dos anos 70. A estilista cria uma atmosfera “rock n’roll chic” com modelos de corte simples e perfeitos. Não é à toa que ela é a atual “Senhora Mick Jagger”.

Rock & Republic

Em outra coleção praticamente monocromática, a Rock & Republic apostou em looks “The Hives” para os homens e uma espécie de romantismo punk para as mulheres. Destaque para essas gravatas fininhas que eu adorow!

Rag & Bone

Outra marca que seguiu a linha “rock n’roll”, a Rag & Bone se inspirou nas vestimentas dos punks, mods e do pessoal do ska e apresentou uma coleção superdivertida, com direito a suspensórios, tachinhas e (de novo) gravatas skinny.  

William Rast

Estréia do nosso querido Justin Timberlake no mundo da moda, em parceria com o estilista Trace Ayala, a William Rast também apostou no clima rock n’roll apresentando jaquetas super bacanas, correntes e jeans rasgados. O visual dos homens foi um pouco mais clássico mas mesmo assim não deixou de ser divertido.

Marc Jacobs

Ok, é impossível falar na semana de moda de NY sem falar nele. Marc Jacobs trabalhou com a mistura kitsch de diversos elementos da cultura americana, apresentando looks com muita, mas muita informação. Eu particularmente não gostei muito e sou bem mais do minimalismo da L’Wren Scott que eu mostrei acima, por exemplo. Destaque para os obis orientais que apareceram em quase todas as composições. Mas o que chamou mesmo a atenção foi o kilt que o estilista usou na sua entrada no final do desfile (no final da apresentação da Marc by Marc Jacobs ele também usou um em tartã vermelho). Isso sim promete virar tendência.